sábado, 7 de março de 2015

Sobre insegurança

Verme

Há um verme no interior de cada alma.
Rói aquela confiança duramente conquistada
Ao lembrar, tão-só, que tudo pode ruir.

Ah, verme maldito. Por que agora?

Já há tempo me julgava livre de ti!
Quando mais seguro me sentia
Reapareces com esse risinho fodido.

É tão simples pisar-te!

Pisar-te! Esmagar-te! Destruir-te!
Porque ao redor tudo já parece tranquilo.
Cá dentro, porém, tu ainda me atormentas.

Grande filho da puta!

Quando se abre o teu sarcasmo, irritas-me.
Tu o sabes. Isso sabes. Sabes bem...
E sabes que minha raiva é controlada.

Não o é. Aparenta, desgraçado!

Vá-te, infeliz! Não se vive de insegurança.

Sidney Azevedo
Alegre e amado
(Descobrindo-se)

Ressaca moral

Ressaca moral

Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral. Ressaca moral.

Ressaca Moral.
Ressaca moral.
(Ressaca moral)